Terça-feira, 26 de Abril de 2011

eneida de virgílio:obra completa(6)

LIVRO VI

 

Assim pranteia, e às naus demite as rédeas;
Vai-se a Cumas eubóica e manso aborda.
Tenaz dente as fundeia; ao largo aproam,
E as curvas popas a ribeira cobrem.
5 Moços na praia hespéria ardidos saltam:
Quem sementes de chama em siliciosas
Veias cata; quem, denso alvergue às feras,
Esmoita a selva, e os rios mostra achados.
O piedoso varão penetra o alcáçar
10 Em que Apolo preside, e as profundezas
Onde à horrenda Sibila ânimo e alento
O délio vate inspira e abre os futuros.
Sobem da Trívia os lucos e áureos tetos.

Dédalo, é fama, dos minóios reinos
15 Fugindo, ao céu fiou-se em lestes penas,
Por via insólita ao gelado Arcturo
Audaz navega; e alfim na cidadela
Calcídica assentando, os remos de asas
Te sagra, ó Febo, e erige um bravo templo.
20 Nas portadas insculpe o morto Andrógeo,
E em castigo os Cecrópidas multados
Ah! na perda anual de sete filhos;
A urna está do sorteio. Ao mar soberba
Corresponde fronteira a gnósia terra:
25 Aqui do touro o amor cruel, e ao furto
Submetida Pasife, e a raça mista
Pôs, monumentos da nefanda Vênus,
Minotauro biforme; aqui da estância
Afadigosa o enredo inextricável,
30 Dolos que, da princesa apaixonada
Com pena, o mestre solve, e em tais desvaires
Cegos vestígios por um fio rege.
Não fosse, Ícaro, a dor, nessa obra-prima
Teu caso entrara: foi gravá-lo em ouro,
35 Duas vezes falece a mão paterna.
Mais perlustraram tudo, se expedido
Não regressasse Acates com Deifobe
De Glauco, a Febo e Apolo consagrada;
Que se endereça ao rei: “Não mais, Enéias,
40 De espetáculos basta; ora te cumpre
De intacta grei matar novilhos sete,
Sete ovelhas do rito.” E ao santuário,
Aviado o sacrifício, os Teucros chama.

Rasgou-se antro espaçoso em roca eubéia,
45 Com cem bocas, cem largas avenidas,
Donde oráculos cem troa a Sibila.
Já no limen(32) a virgem: “Toca os fados
A interrogar; o deus, eis o deus” clama.
Súbito, às portas, o semblante muda,
50 A voz não uma, não composta a coma;
Rábido(33) incha-lhe o peito, arqueja e ofega;
Maior parece, em tom mortal não soa,
Quando a bafeja de mais perto o nume:
“Tu cessas, Frígio, de orações e votos?
55 Cessas? pois de outro modo a casa atônita
Não se escancara.” Disse, e emudeceu.
Aos Teucros frio horror nos ossos côa,
E orou do íntimo o rei: “Febo, a quem sempre
D’Ílio o mal consternou, que a tróica frecha
60 De Páris dirigiste contra Aquiles,
Tua guia, o pélago arrostei que abrange
Terras tais, e os Massilos tão remotos,
E o dilatado chão que as Sirtes orlam:
Já que aportámos na arredia Itália,
65 De Pérgamo a desgraça aqui termine.
Vós ó deuses e deusas, que empecera
Dardânia e a glória sua, é justo que ora
Todos poupeis a geração dos Frígios.
E tu me dá, santíssima vidente,
70 (O indevido não peço) em Lácio os numes
Nossos fixar e os vagabundos lares.
De mármore maciço a Febo e à Trívia
Templos e festas criarei febéias.
A ti no reino espera-te um sacrário,
75 Que te guarde as respostas e os arcanos
Ditados, alma vate, à gente minha;
Hei de eleitos ministros dedicar-te.
Não confies, to rogo, às folhas versos,
Nem dos ventos ludíbrio aos ares voem:
80 Tu mesma os cantes.” À oração pôs termo.

Torva e indócil ao deus, por sacudi-lo
Do ansiado peito, a debacar braveja:
Tanto ele mais fatiga a boca irosa,
E o fero coração lhe oprime e doma.
85 Eis do antro os cem portões, de si patentes,
Vaticínios(34) despedem pelas auras:
“Oh! quite enfim do pego, em terra a transes
Mais graves te prepara. Hão de ir os Troas
A Lavino, sossega; antes contudo
90 Lá não ter ido: guerra, hórrida guerra,
Do sangue o Tibre inchado espumar vejo.
Nem dórios arraiais, nem Xanto ou Simois,
Te faltarão; também de deusa filho,
Há no Lácio outro Aquiles; nunca os Teucros
95 Tenaz deixará Juno. A quem, na angústia,
A que ítalas nações, a que cidades
Não tens de suplicar! E sempre a causa,
Uma hóspita mulher, um toro externo.
Tu não fraqueies; mais que a sorte ousado,
100 Resiste aos males. De livrar-te o meio
Te abre graia cidade, o que nem pensas.”
Do ádito canta ambages tais medonhos,
Muge na gruta, o vero embrulha em trevas:
À furibunda os freios bate Apolo,
105 N’alma excitada estímulos vertendo.

Muda a Sibila, mais quieta a sanha,
Começa o teucro herói: “Nenhum trabalho,
Por novo e inopinado, estranho ó virgem:
Um por um antevi, ponderei todos.
110 Pois que é do inferno a entrada e aqui, me afirmam,
Do revesso Aqueronte o lago obscuro,
Ir, só te imploro, ao caro pai me caiba:
Mostra-me e patenteia as sacras portas.
Eu, nestes ombros, dentre a chama e infindas
115 Chuças hostis o arrebatei, salvei-o;
Ele enfermo comigo afrontou mares,
O pélago aturava e o céu minazes,
Com mais vigor do que à velhice é dado.
Requerendo ordenou-mo, e humilde que hajas
120 Dó do filho e do pai deprecar venho:
Tudo se te faculta; Hécate embalde
Não te propôs, ó casta, ao luco averno.
Se Orfeu pôde avocar da esposa os manes,
Em trácia acorde cítara fiado;
125 Se, com alterna morte o irmão remindo,
Pólux tanto essa via anda e desanda,
(Por que a Teseu citar e o grande Alcides?)
Eu provenho também do rei supremo.”
Dest’arte orava, às aras apoiado;
130 E ela acrescenta: “Anquísea e diva estirpe,
Descer a Dite é fácil; dia e noite
Seus cancelos o Tártaro franqueia:
Tornar atrás e à luz, eis todo o ponto,
Eis todo o afã. Do reto Jove amados,
135 Ou por virtude ardente ao céu subidos,
Poucos, filhos dos deuses, o alcançaram:
Medeia um bosque, e sinuoso em torno
Enfuscado o Cocito a espreguiçar-se.
Mas vezes duas se tranar a Estige
140 E a lôbrega morada ver cobiças,
Se tanto folgas do ímprobo trabalho,
Ouve e à risca o executa. Árvore opaca,
Dicado à inferna Juno, oculta um ramo
N’haste e nas folhas áureo: em vale umbroso
145 O encobre e fecha a denegrida selva.
Sem que destronque o aurícomo rebento,
No Orco ninguém se interna: é dom que exige
E instituiu Prosérpina formosa.
Um fora, brota o novo, e do luzente
150 Metal frondesce a vara. Em alto a mira,
Indaga, e achando respeitoso o apanhes;
Que, a te ser destinado, ele espontâneo
Logo te cederá; senão, com força
Nem duro ferro poderás sacá-lo.
155 Porém, desta consulta enquanto pendes,
Ai! mal sabes que as naus te incesta agora
De amigo o exânime o feral cadáver:
No sepulcro o aposenta; em negras reses
Encete a expiação. É como aos vivos
160 O ínvio reino sombrio e estígios lucos
Hás de avistar.” Calou-se, e os lábios cerra.

De olhos fixos, tristonho, eventos cegos
A cogitar, a gruta Enéias larga:
Trilhando-lhe a pegada, o fido Acates
165 Volve iguais pensamentos. Sobre o sócio
Que, ao dizer da Sibila, enterrar devem,
Travam conversação comprida e vária;
Té que a Miseno vêem de indigna morte
Jazer em seco; o Eólides Miseno,
170 Sem superior com bronze alticanoro
No incitar os varões e acender Marte,
Pajem de Heitor, pugnava à sua ilharga,
No lítuo singular, na lança exímio.
Extinto o grande Heitor às mãos de Aquiles,
175 O fortíssimo herói juntou-se a Enéias,
Não somenos senhor. Mas quando, enchendo
Acaso o mar com ressonante concha,
Louco a tanger os deuses desafia,
À falsa fé, de inveja entre uns penedos
180 O afogou (se é de crer) Tritão nas vagas.
Todos, mormente o pio Enéias, fremem,
Cercam-no pranteando; e obedientes
À douta guia, ao céu funérea pira
D’árvores cumulada erguer porfiam.
185 Covil de feras, velha mata exploram:
Prostra-se o pinho alvar, grita o machado
No sobro rijo, nas fraxíneas traves;
O fendível carvalho as cunhas racham;
Vêm dos montes tombando ingentes ornos.
190 Primeiro no trabalho, exorta os sócios,
Dos mesmos instrumentos se arma Enéias;
E a mata olhando imensa, mil cuidados
No ânimo revolvendo, em preces rompe:
“Oh! se nesta espessura esse áureo garfo
195 Deparássemos nós; como ai! tão certa
Foi contra ti, Miseno, a profecia.”

Inda falava, e ante ele duas pombas
Do céu voando na verdura pousam.
As aves maternais o egrégio cabo
200 Conhece e brada: “Se há caminho, ó guias,
Inclinai vosso adejo aos bosques onde
Rico sombreia o ramo ao pingue solo!
No lance, ó diva mãe! não me faleças.”
Então retém-se a observar das pombas
205 A tendência e os sinais. Pascendo aos vôos,
Só quanto a vista alcance dos que as seguem,
Elas avançam: perto das gargantas
Do pestilente Averno, alando-se ambas,
Sulcam o etéreo fluido, e enfim descaem
210 Na dúplice anelada árvore, donde
Reluz discorde brilho entre a ramagem.
Qual visgo sói, no alheio pé gerado,
Verdecer e enramar-se ao brumal frio,
Nos troncos enrolando os cróceos gomos;
215 Na enzinha opaca tal vegeta esse ouro,
E a folheta crepita à branda aragem.
Dele, inda assim tardio, ávido Enéias
Pega, rápido o quebra, e à vate o leva.

Não menos a Miseno os seus lamentam,
220 Na praia honras prestando à ingrata cinza.
Formam de achas de roble e píceas teias,
De atras folhas tecida, a excelsa pira;
Põem-lhe adiante exequiais ciprestes,
No alto a decoram de fulgentes armas.
225 Aquecem caldeirões que em ondas fervem,
Lavam-lhe o frio corpo, e todo ungido,
A gemer e a chorar, no esquife o deitam;
Vestem-lhe o usado purpurino manto:
Outros o ingente féretro carregam,
230 Triste mister, sustendo, ao modo avito
Averso o rosto, os sotopostos fachos;
Conjunto na fogueira o incenso fuma,
Viandas, copas de infundidos óleos.
Com vinho, assente a cinza e queda a chama,
235 O borralho poroso e o resto apuram;
Corineu colhe a ossada em éneo cado:
De fausta oliva um galho ensopa n’água,
Três vezes borrifando asperge os sócios,
Três profere as novíssimas palavras.
240 Da campa sobre a mole impôs Enéias
O remo do varão, o arnês e a tuba,
No monte Aéreo, que é Miseno agora,
E há de este nome conservar perene.

Isto feito, prossegue e as ordens cumpre.
245 De amplo hiato espelunca alta e lapídea,
Fusca selva a munia e lago imano,
Sobre o qual transvoar impune as aves
Nunca puderam, tal das fauces turvas
Odor exala pelo azul convexo;
250 Donde em grego o lugar chamou-se Aornon.
Quatro almalhos ali tergi-nigrantes
A vate expõe, nos testos vinho entorna,
Entre os cornos tosquia, e em sacro fogo
Lança em primícia o pêlo; vocifera
255 Hécate no Érebo e nos céus potente.
Facas ao sangradouro, alguns em taças
Cruor tépido aparam. Mesmo à espada
Enéias das Eumênides à madre
E à Terra irmã cordeira preta imola,
260 E a ti fere, Prosérpina, uma toura;
Alça da Estige ao rei noturnas aras;
Em holocausto as vísceras bovinas,
Derrama azeite no debulho ardente.
Eis sob os pés, ao primo albor do dia,
265 A remugir o chão, mover-se os cumes
Do arvoredo; e na sombra, ao vir a deusa,
Surde um canino uivar. “Profanos, longe,
Oh! longe deste bosque, a vate exclama:
Tu, Frígio (aqui denodo, aqui firmeza),
270 Desembainha o ferro, a estrada invade.”
Nisto, furiosa entranha-se na gruta;
Com não tímido passo a iguala Enéias.

Deuses! que império sobre as almas tendes,
Caladas sombras, Flegetonte e Caos,
275 Taciturnos vastíssimos contornos,
Dai-me o que ouvi narrar, dai-me os arcanos
Do abismo descoser caliginoso.

D’erma noite iam sós no escuro envoltos,
Por vã plutônia estância e vácuos reinos,
280 Qual se anda à luz falaz da incerta Lua
Por matas, quando Jove embrusca o pólo
E às coisas tira a cor tristonha treva.

No vestíbulo mesmo, às fauces do Orco
Se aninha o ultriz Remorso, e o Luto e o Medo;
285 Pálidos Morbos e a Velhice triste, 
Má conselheira a Fome e a vil Penúria,
Visões de horror; da mente os ruins prazeres,
E a Morte e a Lida, e o Sono irmão da Morte:
Defronte a letal Guerra, e em férreo catre
290 As Fúrias, e a Discórdia insana que ata
Cruentos nastros na vipérea grenha.
No centro, anosos braços largo e opaco
Olmo expande, e nos ramos se diz moram
A cada folha os sonhos vãos pegados.
295 Monstros mil aos portais, biformes Cilas,
Os Centauros, as Górgonas se alojam,
Mais o animal de Lerna horri-stridente,
E o fantasma tricórpore e as Hárpias.
Eis de pavor o gume saca Enéias,
300 Tem-se à espera; e, se a mestra não lhe adverte
Que eram sem corpo avoejantes vidas
E ocas formas sutis, ele investira
E de aço inútil açoitara sombras.

Daqui parte o caminho do Aqueronte,
305 Que em funda bolha férvida voragem,
E ao Cocito arremessa areia e lodo.
Fero esquálido arrais guarda estas águas,
Caronte hediondo, cuja barba espessa
Branqueia inculta, os lumes lhe chamejam,
310 E aos ombros suja capa em nó lhe pende:
Puxando à vara, ou mareando as velas,
Em cimba enfarruscada os vultos passa;
Velho, mas como um deus, robusto e verde.
Tropel confuso às margens se arremessa:
315 Bravos guerreiros de alma luz privados,
Varões, meninos, mães, inuptas virgens,
Jovens ante seus pais à queima entregues:
Quantas no outono as despegadas folhas
Caem aos primeiros frios; ou quão bastas
320 Glomeram-se aves do alto pego à terra,
Quando além-mar a temperados climas
Gélido ano as envia e as afugenta.
No transporte rogando a preferência,
Ávidas mãos à oposta riba estendem:
325 Brusco admite o barqueiro estes e aqueles;
Muitos porém da praia arreda esquivo.
A Enéias o tumulto espanta e abala:
“Por que, ó virgem, das almas o concurso
Busca este rio? por que enxotam-se umas,
330 E o vau lívido a remo as outras varrem?”
Breve torna a longeva: “Ó nobre cabo,
Diva prole certíssima, o estagnado
Cocito vês profundo e a crua Estige,
Por quem temem faltar jurando os numes.
335 Pobre turba inumada é quanto avistas;
Caronte, o arrais; sepultos, os que embarcam.
Nem pode algum, se os ossos não descansam,
Montar a margem torva e rouca veia:
Cem anos volteando ansiosos vagam;
340 O estanque alfim rever, transpor conseguem.”

O Anquisíades pára, e a sorte iníqua
Detém-se a contemplar. Devisa(35) aflito
Mestos, sem funerais, Leucaspe e Oronte,
Chefes da lícia esquadra; os quais, de Tróia
345 Partidos, por tormentas soçobraram,
Austro n’água envolvendo a nau e a gente.
Seu piloto apresenta-se, que há pouco
Na rota líbia, enquanto observa os astros,
Da popa resvalou, foi de mergulho.
350 Na escuridão lhe grita ao lobrigá-lo:
“Que deus a nós roubou-te, ó Palinuro,
E te afundou no ponto? Nunca em falha,
Só nisto, Apolo achei, pois me cantava
Incólume n’Ausônia abordarias:
355 E ei-la a promessa!” O nauta replicou-lhe:
“Nem de Febo a cortina, ó forte Anquíseo,
Te iludiu, nem há deus que me afundasse.
Regendo o curso, ao leme eu me aferrava;
Arrancado com força, ele comigo
360 Se precipita. Aos crespos mares juro,
Nada temi por mim, senão que a tua
Nau, sem leme, sem mestre, perecesse,
Crescendo os escarcéus. Violento Noto
Me rojou pelo imenso equóreo gólfão
365 Três noites invernais: ao quarto lume
De cima de uma vaga enxergo a Itália.
Vou nadando, e em seguro já me agarro,
Grave e molhado, às quinas de um rochedo,
Quando, encontrar supondo grosso espólio,
370 Homens cruéis a ferro me acometem.
Ora o vento, a maré, me joga à praia.
Pela jucunda luz, celestes auras,
Pelo aumento de Iulo e por Anquises,
Desta ânsia me descarga: ou tu me enterra,
375 Que o podes indo a Vélia; ou, se há maneira,
Se a genetriz, invicto rei, t’a indica
(Nem creio navegar desassistido
Queiras tais rios e a palude horrível),
Dá-me a destra e me leva pelas ondas;
380 Do remanso da morte eu goze ao menos.”
“Donde, o atalha a Sibila, ó Palinuro,
Donde esse ímpio desejo? não mandado
A severa corrente olhar das Fúrias,
Traspassando insepulto a estígia borda!
385 Não penses em dobrar com rogo os fados.
Mas por conforto e alívio atento escuta:
Dessa comarca, instados por assombros,
Hão de os vizinhos sufragar teus ossos,
Com dons solenes tumular-te, e o sítio
390 Terá de Palinuro o nome eterno.”
Deste nome se paga, e um tanto as penas
Do coração modera e desafoga.

Marchando avante, às águas se apropínquam.
Do lago o arrais, que os avistou no mudo
395 Bosque andando, à ribeira encaminhados,
Os salteia e os exprobra: “Tu, quem sejas,
Nstas margens armado o que pretendes?
Nem mais um passo; aqui somente as sombras
E a soporosa Noite e o Sono habitam:
400 Os vivos não transporta o casco estígio.
Nem me gabo de haver tomado Alcides,
Piritôo e Teseu, bem que invencíveis
Prole fossem divina: aquele trouxe
Dos pés do trono o guardião do inferno
405 Tremente e agrilhoado; ao régio toro
Subtrair a senhora os dois tentaram.”
Curto responde a Anfísia: “Tais insídias
Não temas; estas armas não te ofendem:
No antro ladrando eterno, exangues sombras
410 Assuste o grã porteiro; ao tio casta,
Recatada Prosérpina se encerre.
Tão guerreiro quão pio, ao Orco Enéias
Desce ante o pai. Se a filial virtude
Não te abranda e comove, ei-lo (descobre
415 Na veste o ramo oculto), reconhece-o.”
De ira as entranhas túmidas se aplacam;
Nem mais tugiu. Da haste fatal mirando
O venerável dom, não visto há muito,
Volta a cerúlea popa e à riba encosta.
420 Abancadas ao longo afasta as almas,
Faz praça, e a bordo o capitão recebe.
Ao peso a barca nas costuras geme,
Rimosa da lagoa aos sorvos bebe;
Além depõe a salvo a guia e o Frígio,
425 Em morraçal verdoso e limo informe.
Com trifauce latir Cérbero ingente,
Deitado em cova oposta, o reino atroa.
Seus serpentinos colos já se erriçam;
Lança-lhe a vate um sonorento bolo
430 De mel e confeições, que, as três gargantas
Escachando glotão, raivoso engole;
E, os costados em terra, entorpecido,
Por toda a gruta o corpo enorme estira.
Sopito o monstro, a entrada ocupa Enéias,
435 E lesto evade a irremeável onda.

Logo se ouve ao limiar vagido e choro,
Tenros ais dos que ao seio em que mamavam
Arrebatou, privou do doce alento,
Imergiu dia infausto em luto acerbo.
440 Por crime falso à morte os condenados
Estão perto. Os lugares não se assinam
Sem sortes, sem juiz: rodando a urna,
Chama ao silente povo e inquire Minos,
E das vidas conhece e dos pecados.
445 Cá vizinham soturnos(36) os que, insontes
A luz odiando, as almas desataram,
Vítimas do suicídio. Oh! quanto agora
Prefeririam padecer no mundo
Cru trabalho e pobreza! Há lei que o veda,
450 E, em voltas nove circunfusa a Estige,
Triste e inamável, os refreia e prende.

Não mui distantes, os lugentes campos
(É seu nome) estendidos se dilatam;
Onde os que empeçonhou de amor a febre
455 Mirtedo cobre de secretas sendas,
Nem da paixão tirana a morte os livra.
Lá Prócris, Fedra, Erífile passeia,
Mesta do filho atroz mostrando os golpes;
Também Pasife, Laodâmia e Evadne;
460 Cênis, de fêmea transformada em homem,
Por fadário a seu sexo reduzida.
No bando, fresca a chaga, errava a Tíria
Nos desvios da selva: assim que Enéias
Ao pé chegou no escuro a distingui-la,
465 Qual do mês no começo alguém nas nuvens
Apontar vê Lucina ou cuida vê-la,
Meigo e amoroso lagrimando fala:
“Infeliz Dido! o núncio não mentiu-me,
Desesperada a ferro te finaste!
470 E autor eu fui! Rainha, aos céus to juro,
No imo centro se há fé, larguei teu porto
A meu pesar: forçaram-me os supremos,
Que, no império da noite me afundando,
Por brejos, por tojais, a andar me obrigam;
475 Nem cri tamanha dor causar partindo.
Tu foges? tu me esquivas? tem-te; os fados
Este último colóquio nos concedem.”
Tal a Dido, que irosa e torva o encara,
Embrandecia o herói com pranto e mágoas:
480 Ela aversa no chão pregava os olhos;
Nem mais seu rosto à prática se move
Que dura sílice ou marpésia rocha.
Infensa escapa-se, e em retiro umbroso
Do marido Siqueu se abriga ao peito,
485 Que terno corresponde a seus cuidados.
Longo trato, a chorar o injusto caso,
Compungido e saudoso o Teucro a segue.

Vão por diante; as veigas já pisavam
Só de claros guerreiros freqüentadas.
490 Aqui Tideu, Partenopeu famoso,
Adrasto ocorre de palente imagem.
Aqui, mortos no prélio e tão carpidos,
Em fileira os Dardânidas encontra:
Suspiroso a Tersíloco e Medonte,
495 Glauco e os três Antenóridas contempla,
E a Políbetes consagrado a Ceres,
E Ideu que inda meneia e o carro e as armas.
À destra e à sestra as almas se apinhoam:
Não basta olhá-lo, não; retê-lo agrada,
500 Achegar-se e indagar da vinda as causas.
Logo que, pela treva o arnês fulgindo,
O avistam graios cabos e as falanges
Agamenônias, trépidos recuam:
Uns, como quando aos barcos se acolheram,
505 Costas viram; no erguer a voz sumida,
A alguns na boca hiante o grito morre.

O Priâmeo Deífobo entre estes anda,
Lacero enormemente o corpo e a cara,
De beiços, mãos e orelhas cerceado,
510 E de um gilvaz deforme o nariz troncho.
Com vergonha o suplício infame encobre;
E a custo o reconhece o noto amigo:
“De Teucro ó sangue ilustre, armipotente,
A quem, Deífobo, tal crueza aprouve?
515 Quem tanto ousou? Na noite ouvi suprema
Que, de matar cansado, sucumbiras
Confundido no vasto morticínio.
No Reteu vezes três chamei-te a vozes,
Vão túmulo erigindo; que o teu nome
520 E armas protegem; nem te achei, nem pude
No pátrio chão depor-te em me ausentando.”

“Nada omitiste, o Priamides clama;
Tudo a Deífobo e aos manes seus pagaste.
Nestes males, amigo, me abismaram
525 Da Lacena o flagício e o meu destino:
Esta a memória que de si deixou-me.
Soubeste (e há quem se esqueça(37)) em gostos falsos
Passada aquela noite. O fatal bruto
Quando, prenhe de armada infantaria,
530 Árduos muros saltou; fingindo coros,
Ela as Frígias guiava em torno às orgias;
E, entre as evantes manejando um facho,
Do alto castelo os Danaos convidava.
No tálamo infeliz me deito, opresso
535 De pesadume e lida; e caio em manso
Letargo, semelhante ao sono eterno.
Põe-me a guapa consorte as armas fora,
E até da cabeceira a fida espada;
A Menelau acena e as portas abre;
540 Julgando assim mimosear o amante,
E o labéu extinguir da antiga ofensa.
Que mais? o quarto assaltam; a exortá-los
O Eólides malvado os acompanha.
Deuses! igual suplício os gregos lastem,
545 Se com justiça impreco esta vingança.
Mas vivo, eia também, que urgente caso
Te trouxe cá? dos manes foi capricho?
Mando celeste? por que azar à estância
Vens túrbida e funesta, ao Sol negada?”

550 Febo em rósea quadriga o meio do eixo
Pelo éter já transpunha, e em tais colóquios
Ia-se o tempo dado; a companheira
Em resumo os adverte: “Avança, Enéias,
A noite, e em choro as horas consumimos.
555 Parte-se a estrada aqui: de Dite aos paços
Corre à direita, e além nos fica o Elísio;
No ímpio Tártaro, à esquerda, os maus padecem.”
Deífobo então: “Sibila, não te agastes;
Ao número me agrego, e às sombras torno.
560 Vai, glória nossa, vai; logra outros fados.”
Nisto, o passo torcendo, se retira.

Repara, e em sestra penha o herói descobre
Tartárea trimurada fortaleza,
Que rápido a rolar sonantes pedras,
565 Cingem do Flegetonte ígneas torrentes.
De inteiriças colunas diamantinas
O portão da fachada, a demoli-lo
Nem vale humano esforço, nem divino:
Férrea torre se eleva; e de atalaia,
570 Traçada opa sangüenta, sempre alerta,
Lá Tisífone o pórtico defende.
Entram ais a estrugir, do açoite os golpes;
Arrastam-se grilhões; retinem ferros.
Pára, e assombrado o estrondo haurindo Enéias:
575 “Quais as culpas? quais delas os castigos?
Explica, ó virgem: que alarido aquele?”

E a vate: “Ínclito chefe, ao justo o limen
Celeroso é vedado; mas dos deuses,
Quando Hécate prepôs-me ao bosque averno,
580 Mostrou-me os tratos, me levou por tudo.
O duríssimo Gnósio Radamanto
É quem manda; e os indaga e pune os crimes,
E a confessar constrange os que expiá-los
Para a tardia morte diferiram,
585 De os ter furtado ao mundo em vão contentes.
Ultriz, logo insultando os azurraga
Tisífone; e a chamar as outras Fúrias,
Destorce com a esquerda e assanha as cobras.”

Ei-las de par em par as sacras portas
590 No quício horríssono a ranger. “Atentas
Qual, sentada ao vestíbulo, o vigia
Medonha catadura? pois mais seva
Cinqüenta atras goelas hidra enorme
Dentro arreganha; e o Tártaro em despenho
595 Se abisma, o dobro do que a vista abrange
Desde baixo ao luzente Olimpo etéreo.
Lá fulminados os Titãs mancebos,
Filhos da Terra, nas profundas rolam.
Vi de gigante corpo os dois Alóidas,
600 Que, o céu mesmo escalando, acometeram
Derribar do seu trono o rei supremo.
Vi Salmoneu penando, que o sonido
E os fuzis do Tonante arremedara:
Tocha a brandir, em carro de dois tiros,
605 Por Élide ia ovante, e à força os povos
O adoravam por deus; com o estrupido
Dos cornípedes néscio em érea ponte
Trovões fingia e o fogo inimitável:
Júpiter, fachos não, não fúmeas tedas,
610 Sim contorce um corisco dentre as nuvens,
E em turbilhão sulfúreo o precipita.
Também da mãe comum o aluno Tício
Por geiras nove, ó pasmo! estira os membros:
Rói-lhe abutre cruel de bico adunco
615 O fígado imortal; e, esquadrinhando
Para o suplício as vísceras fecundas,
A fome ceva, no âmago se encarna; 
De renascer as fibras não descansam.
Dos Lapitas, Ixion, de Piritôo
620 Que direi, sobre os quais já já desaba
Atra iminente rocha? Ante eles brilham
Em leitos geniais pilares de ouro,
Banquetes régios de esquisito luxo:
Perto encostada, a principal das Fúrias
625 Atingir lhes proíbe as iguarias,
Surge o facho a vibrar, minaz troveja.

Quem teve ódio aos irmãos, durante a vida,
Pôs mãos nos pais, urdiu contra o cliente;
Os que amuados tesouros incubando,
630 Máxima turba, nada aos seus partiram;
Os mortos no adultério; os de ímpias armas
Sequazes, desleais contra os senhores,
No encerro a pena aguardam. Não a inquiras,
Nem que sentença ou caso os tem submersos:
635 Qual pedra ingente galga, ou de uma roda
Estreito aos raios pende; está sentado
Preso o infeliz Teseu e estará sempre;
Flégias, misérrimo a bradar nas trevas,
Nunca cessa: “Aprendei no exemplo horrível
640 Justos a ser, a não zombar dos numes.”
Este vendeu a pátria a ruim tirano;
Leis, as fez e desfez peitado aquele;
Outro invadiu nefando o leito à filha:
Réus que a tenção danada executaram.
645 Nem com voz férrea, bocas cem, cem línguas,
Pudera eu numerar da culpa as formas,
A variedade e os nomes dos castigos.”

Depois a idosa Anfrísia: “Anda, acrescenta,
Acaba a empresa, a rota apressuremos.
650 Dos Ciclopes forjados vejo os muros,
No arco da frente as portas, onde a oferta
Depor se nos prescreve.” Disse, e opacas
Vias a par correndo, o espaço vencem,
Tocam já nos batentes. Ele a entrada
655 Ocupa; e, de água viva asperso o corpo,
No frontispício o ramo à deusa crava.

Completo o rito e o voto, enfim chegaram
A jucundos vergéis e amenas veigas,
Da bem-aventurança alegres sítios.
660 Éter mais largo purpureia os campos,
Que alumia outro Sol, outras estrelas.
Em gramínea palestra alguns se exercem,
Brincam na fulva areia em luta e jogos;
Parte o compasso bate, e baila e canta;
665 E ao Trácio, que dedilha ou pulsa as cordas
Com plectro ebúrneo, em roçagante loba,
A septívoca lira acorde fala.
Nota-se ali de Teucro a estirpe egrégia,
Nados em melhor quadra heróis magnânimos,
670 Dárdano autor de Tróia, Assáraco, Ilo;
Sem dono ao longe arneses, coches vagos,
Lanças no chão pregadas, e pascendo
Livres soltos corcéis pela campanha.
De armas e carros o que em vivos tinham
675 Gosto, amor de nutrir nédios cavalos,
Esse da terra ao seio os acompanha.

Eis em festins na relva, à destra e à sestra,
Ledo peã(38) em coro outros modulam
Num láureo bosque odoro, donde acima
680 O Erídano caudal volve entre selvas.
Lá, da pátria em defesa os vulnerados,
Os sacerdotes castos, os poetas
Que o puro estro febeu não profanaram,
Os inventores das polidas artes,
685 Os que renome obrando mereceram,
A todos nívea banda as frontes orna.
Circundada a Sibila os interroga,
E a Museu mais, que os ombros sobreleva
Do atento bando em meio: “Almas ditosas,
690 E tu profeta exímio, onde, ensinai-me,
Onde Anquises reside? em busca dele
Do Érebo os grandes rios trasnadámos.”
Foi breve o herói: “Nenhum tem certo o alvergue;
Sombrios lucos, vicejantes margens,
695 De arroios frescas várzeas habitamos.
Mas, se o folgais de achar (o atalho é fácil),
Esta encosta montemos”. E, a guiá-los,
Do cume ostende as nítidas campinas,
E a virente convale os vai descendo.

700 Meditabundo Anquises, nele inclusas,
As almas resenhava a tornar prestes
À luz superna; e dos queridos netos
O número talvez recenseava,
Seus costumes e ações, fortuna e fados.
705 Quando assomava Enéias pela grama,
O ancião jubiloso alonga as palmas,
E as faces rosciando a voz desprega:
“Venceste, enfim, piedoso a dura estrada,
Como esperava! És tu, meu caro Enéias?
710 Ouvir-te os notos sons, render-tos posso!
Para agora isto os cálculos me davam:
Certo não me enganou meu pensamento.
Por que terras jogado, por que mares,
Por que perigos, filho, eu te recebo!
715 Quanto receei que a Líbia te estorvasse!”
E ele: “A tua, meu pai, a tua imagem
Cá me atrai, ocorrendo austera e assídua.
Hei no Tirreno a frota. Ao nosso amplexo
Ah! não te esquives, destra a destra unamos.”
720 E ao discursar, em lágrimas desfeito,
Foi três vezes nos braços apertá-lo,
Três abarcada a sombra se lhe escapa,
Como aragem fugaz, ligeiro sono.

Ei-lo em secreto vale descortina
725 Selva escusa de arbustos sussurrantes:
Em torno ao brando Letes, que ali mana,
Voam povos sem conto; e, qual nos prados
Se em flores várias por sereno estio
Senta o enxame e se espalha entre açucenas,
730 Do estrépito murmura o campo todo.
Ínscio, atalhado, a causa indaga Enéias,
Que rio este é, que gente em cópia tanta
Lhe enche as ribas. “Aos corpos destinados,
Disse o padre, almas são que eterno olvido
735 N’água letéia descuidosa bebem.
Muito há que tas mostrar e expor-te anelo
Dos meus a descendência; a fim que ainda
Te regozijes mais da Itália achada.”
“Pois é crível, meu pai, que almas sublimes
740 Aos tardos corpos, ressurgindo, voltem?
Oh! desejo de vida insano e triste!”

“Não fiques mais suspenso; eu vou por ordem
Cada coisa expender-te: escuta, ó filho.
Desde o princípio intrínseco almo espírito
745 Céus e terra aviventa e o plaino undoso,
O alvo globo lunar, titâneos astros,
E nas veias infuso a mole agita,
E ao todo se mistura: homens e brutos,
Voláteis gera e anima, e o que de monstros
750 O cristal fluido esconde. Há nas sementes
Ígneo vigor divino, enquanto a nóxia
Matéria o não retarda, nem o embotam
Órgãos terrenos, moribundos membros.
Daqui vêm dor, prazer, cobiça e medo;
755 E à clara alteza os míseros não olham,
Em cega negregura encarcerados.
Nem perdem, quando a luz vital se extingue,
De todo as fezes e mundanos vícios:
Muitos, concretos longamente, é força
760 Que nelas durem por teor pasmoso.
Em tratos pois seus erros pagam todas:
Qual pende aos ventos; qual da culpa as nódoas
Lava em golfo espaçoso, ou dile ao fogo.
Cada um sofre em seus manes: poucos temos
765 Ao depois do amplo Elísio as doces veigas;
Té que, perfeito o giro, a mão do tempo
Gasta o impresso labéu, depura a flama,
O senso etéreo e simples aura afina.
Voltos mil anos, as convoca em turmas
770 Ao rio um deus; por que elas, do passado
Esquecidas, rever a esfera queiram,
E entrar de novo nas prisões corpóreas.”

Cessa Anquises; a Enéias e a Sibila
Traz ao mais basto da ruidosa turba;
775 Um combro toma; donde a extensa fila
Divise dos que vêm, e a todos possa
Os traços discernir. Então prossegue:
“Eia, a glória que os Dárdanos espera,
Do ítalo tronco os descendentes nossos
780 Que a fama ilustrarão dos seus maiores,
Hei de explicar-te, e aprenderás teus fados.
Notas? próximo à luz por sorte, um jovem
Se arrima em hasta pura: às auras, misto
Latino sangue, surgirá primeiro,
785 Sílvio, póstumo teu, de nome albano;
Que tardio, a ti já na eterna vida,
Te há de Lavínia produzir nas selvas;
Rei, de reis gerador, por onde os nossos
Têm de vir de Alba-longa a ser senhores.

790 Segue-se Procas, dos Troianos honra;
Cápis e Numitor mais Sílvio Enéias,
Que te avive e recorde, e, obtendo o reino
Cobrar, te imite belicoso e pio.
Olha, os mancebos quanta força ostentam!
795 Aos que civil carvalho ensombra as testas,
Esses Nomento e Gábios e Fidenas,
Esses Colácia te alçarão nos montes,
Exímia no pudor; Pomécia altiva,
Castro d’Inuo juntando, e Bola e Cora:
800 Ermos ignotos, no porvir famosos.

Será do avô refúgio o Márcio Rômulo,
De Ília, prole de Assáraco, nascido.
Vês que o elmo lhe adornam dois cocares,
E o padre o marca de esplendor sidéreo?
805 A ínclita Roma, por auspícios dele,
O orbe, Enéias, fecunda em grandes homens,
No império há de abranger, na mente o Olimpo,
Sete montanhas numa só cidade:
Oual torreada, ufana mãe dos deuses,
810 Corre em Frígia no coche a Berecíntia,
Que cem netos celícolas abraça,
Todos em alto grau, ditosos todos.

Volve os olhos, contempla os teus Romanos.
Júlio aí tens e a geração de Ascânio,
815 Para exaltar-se ao pólo. A ti bem vezes
Eis, eis o prometido, Augusto César,
Diva estirpe, varão que ao Lácio antigo
Há de os satúrnios séculos dourados
Restituir, e sobre os Garamantes
820 E Indos seu mando propagar; dos signos
Clima além situado, além das rotas
Do ano e do Sol, por onde aos ombros vira
O celífero Atlante o eixo ardente
De estrelas tauxiado. Os cáspios reinos
825 Já do agouro da vinda se horrorizam;
E a meótica plaga e as septiduplas
Fozes do Nilo túrbidas trepidam.
Nem o que a cerva erípede varara,
Que apaziguara as matas do Erimanto,
830 E a Lerna com seu arco estremecera,
Tanto peregrinou; nem vitorioso
Líbero, que do Nisa expede os tigres,
E dobra os cumes com pampíneas rédeas.
E inda estender a fama duvidamos,
835 Ou n’Ausônia assentar nos tolhe o medo?

Quem distante apresenta insígnias sacras
E ramos de oliveira? as cãs e a barba
Do rei conheço que primeiro em Roma
Legislará, da exígua e pobre Cures
840 Mandado a celso império. Ao depois Tulo
Irá da pátria quebrantar os ócios,
Mover às armas cidadãos remissos,
E as tropas aos triunfos desafeitas.
Anco sucederá mais presunçoso,
845 Que d’aura popular já nímio folga.
Ver queres os Tarquínios, e o severo
Vingador Bruto e os recebidos feixes?
Cônsul, tomando as sevas machadinhas,
Ai dele! imolará rebeldes filhos
850 À pulcra liberdade. Vário ajuízem
Disto os vindouros; há de o amor da pátria,
E o de glória vencer desejo imenso.
Nota os Décios ao longe, os Drusos nota,
Mânlio Torquato de cruel secure,
855 E o dos pendões recondutor Camilo.

De armas fulgindo iguais, os dois que observas,
Concordes hoje quando a noite os preme,
Ah! quanta excitarão, se a luz tocarem,
Guerra entre si, que estragos, que batalhas!
860 Dos muros de Moneco e das Alpinas
Serras baixando o sogro, instructo o genro
Dos opostos Eôos! A tais guerras
Não vos acostumeis, nem volteis, jovens,
Contra o seio da pátria o esforço vosso.
865 Tu, que provéns do Olimpo, antes perdoa;
Fora os dardos arroja, ó tu meu sangue.

De Aqueus pela matança aquele insigne,
Triunfada Corinto, ao Capitólio
Há de o carro subir. Micenas e Argos
870 De Agamenom, ess”outro há de estruí-las,
A Eacide abater, do armipossante
Aquiles garfo; os Teucros seus vingando,
E de Minerva o maculado templo.
Como olvidar-te, ó Cosso, ó Catão magno?
875 Como os Gracos, e os dois, terror da Líbia,
Cipiões, raios da guerra? e na pobreza
O potente Fabrício? e a ti, Serrano,
Semeando os sulcos? Onde absorto, ó Fábios,
Me arrebatais? só tu, Máximo, aos nossos
880 Detençoso a república restauras.

Hão de outros, sim, mais molemente os bronzes
Respirantes fundir, sacar do mármore
Vultos vivos; orar melhor nas causas;
Descrever com seu rádio o céu rotundo,
885 O orto e sidério curso: tu, Romano,
Cuida o mundo em reger; terás por artes
A paz e a lei ditar, e os povos todos
Poupar submissos, debelar soberbos.”
Com pasmo ouvido: “Atenta, ajunta o velho,
890 Do espólio opimo ovante, eis vem Marcelo,
E em talhe sobrepuja os varões todos.
Turbada em grã tumulto, há de este a Roma
Cavaleiro assistir; prostrar o Galo
Revolto e os Penos, e as terceiras armas
895 Ganhadas suspender ao pai Quirino.”

Nisto, Enéias descobre um lindo moço
De fulgurante arnês, mas pouco alegre,
De rosto e olhar caído: “Ao varão, padre,
Quem acompanha? é filho? é da prosápia
900 Dele talvez? Que séquito estrondoso!
Que ar de Marcelo tem! Mas noite escura
Triste voa e a cabeça lhe circunda.”
Em lágrimas Anquises: “Não me inquiras
Dos teus o luto ingente; apenas, filho,
905 À terra o mostrará destino avaro.
A durar este dom, creríeis, deuses,
Nímio possante a geração romana.
Que ais no campo vizinho aos márcios muros!
Ou de que funerais, entre o sepulcro
910 Recente resvalando, ó Tiberino,
Testemunha serás! Nenhum mancebo
Da gente ilíaca os avós latinos
Tanto há de esperançar, nem de outro aluno
O romúleo país jactar-se tanto.
915 Ó Piedade! ó fé prisca! ó destra invicta!
Ninguém impune o arrostaria armado,
Quer a pé remetesse, quer d’esporas
Os do espúmeo ginete ilhais picasse.
Qual! jovem miserando, ásperos fados
920 Se a romper chegas, tu serás Marcelo.
Dai-me às mancheias lírios, dai-me rosas:
De esparsas flores eu cumule o neto;
A alma do vão tributo ao menos logre.”

Assim, no espaço aéreo vagueando
925 Por essas regiões, tudo examinam.
Depois que o padre o instrui, e de renome
No ardor o abrasa, as iminentes guerras
Ao filho explana, e os povos de Laurento
E de Latino a corte lhe anuncia,
930 E como o risco evite e como o sofra.

Do Sono há dois portões: saída, contam,
O córneo facilita às veras sombras;
Do que é de alvo marfim, terso e nitente,
Mandam falsas visões à luz os manes.
935 Pelo ebúrneo, entretendo a vate e o filho,
Os encaminha Anquises e os despede.
Para as naus corta, aos seus reverte Enéias.
Corre a costa e a Caieta vai direito.
Da proa botam ferro, a popa atracam.

publicado por centrallgames às 00:49
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
27
28
29
30


.posts recentes

. eneida de virgílio:obra c...

. eneida de virgílio:obra c...

. eneida de virgílio:obra c...

. eneida de virgílio:obra c...

. eneida de virgílio:obra c...

. eneida de virgílio:obra c...

. eneida de virgílio:obra c...

. eneida de virgílio:obra c...

. ...

. eneida de virgílio:obra c...

.arquivos

. Abril 2011

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub